8 Estereótipos irritantes à cerca de escorts

23 May 2020 / informativo

O que eu mais gosto neste blog do Classificados X é que ele me oferece um espaço onde posso expressar os meus pensamentos e opiniões acerca desta profissão que é um tabu para muitos. Desta vez, vou partilhar os oito estereótipos mais comuns à cerca das escorts. Estes estereótipos são muito infelizes, e o mais triste ainda é que provavelmente derivam de referências culturais tal como a personagem de Julia Roberts em Pretty Woman e muitas outras semelhantes. Apesar destes estereótipos tenderem a ser generalizações desagráveis, estes não são provavelmente causados por maldade, mas sim pelo desconhecimento que muita gente tem da vida quotidiana da industria do sexo. Em vez de desenvolverem discussões sobre o sexo de um ponto de vista positivo, há muita gente que trabalha incansalvemente para remover estes tópicos de contextos educacionais, o que leva a uma cultura sem conhecimento e definida por comentários e comportamentos que rebaixam os trabalhadores do sexo. Todos nós nos beneficiaríamos em questionar alguns destes estereótipos, para que, esperançosamente, eles deixem de ser assunto.

1. Quando é que vais arranjar um emprego a sério?

De longe, esta é a pergunta mais feita pelas pessoas. O que estas pessoas parecem não entender é que também muitas escorts também têm outros empregos. A meu ver todos os trabalhos têm o mesmo valor, apesar de alguns empregos pagarem mais que outros. O rendimento proveniente do trabalho sexual ultrapassa normalmente o rendimento que um escort poderia ter noutro emprego. Portanto, dentro de um contexto capitalista, ser escort tem sido o trabalho principal de muita gente, o que faz deste, um emprego "a sério".

2. És mais inteligente do que eu pensava.

Escolher uma profissão na industria do sexo, não faz necessáriamente com que seja necessário desistir de estudar. Muitas escorts têm o ensino superior. Algumas com notas excepcionais e com bastante vontade de aprender. Uma coisa não está diretamente relacionada com a outra. No entanto, devemos desconstruir a ideia de que ser “inteligente” é ter acesso a um idioma específico e conhecimento sobre assuntos atuais. Não importa se partilhas a mesma maneira de falar que uma profissional do sexo, porque para existir e presistir no mundo da indústria do sexo, é preciso conhecer muitos tipos de pessoas e vivenciar situações potencialmente perigosas. Se achas que a inteligência é a capacidade de discutir os pontos de vista filosóficos de Michel Foucault, provavelmente tens um entendimento limitado do que significa ser "inteligente". Talvez se expandires a tua idéia de inteligência para incluir pessoas que são espertas nas ruas, a tua perspectiva sobre as pessoas ao teu redor, incluindo profissionais do sexo, será mais exata.

3. Deves levar com muitos idiotas.

Lamento desapontar-te, mas a maior parte das escorts não trabalha com idiotas. Clientes rudes, mal-educados, com nariz enpinado, e às vezes, com os três, não são opção. A maior parte das acompanhantes filtra cuidadosamente e seleciona os seus clientes de modo a reunir-se apenas com cavalheiros que as merecem em todos os sentidos.

4. És viciada em drogas?

Infelizmente, essa é uma suposição muito frequente à cerca das escorts. Alguns profissionais do sexo usam drogas, outros não. É certo que muitos se envolvem em trabalho sexual para obter drogas. Mas, no geral, relacionar diretamente profissionais do sexo e drogas, é ridículo. O que alguém faz no trabalho não indica nada sobre o que essa pessoa faz com o seu corpo fora do trabalho. Além disso, a mesma suposição sobre abuso e dependência de drogas podia ser feita para qualquer tipo de trabalho altamente respeitado e admirado pelo público. Ou ainda não viste O Lobo de Wall Street?

5. Deves ser pelo menos ninfomaníaca.

Não! Se os trabalhadores so sexo fossem ninfomanácos não cobravam. Faziam sexo de borla quando quisessem, em vez de esperarem pelos seus clientes.

6. Acabei de ver a tua lista de preços! Deves estar rica!

Infelizmente, ser escort é apenas um trabalho part-time para muitos na indústria. As acompanhantes não estão funcionando 5 dias por semana como outros profissionais e também não têm um cheque de pagamento fixo no final do mês. Não estou a falar dos poucos sortudos com um milionário estável, que envia uma mesada mensal. É um negócio bastante inseguro e de alto risco. É possível não ter um único cliente durante uma ou duas semanas. Pode-se supor o quão frustrante pode parecer, porque as contas não param de chegar. Tudo depende de quão forte e confiável é a base de clientes regulares; e isso também diferencia uma escort bem-sucedida de uma bastante má.

7. Deve ser mesmo difícil teres encontros amorosos na vida real.

Muitas pessoas na indústria do sexo têm dificuldade em encontrar parceiros que aceitem a carreira que escolheram, mas isso é uma pena para as pessoas que se recusam a namorar com uma profissional do sexo, dado o fato de que esse trabalho naturalmente tem uma restrição de tempo e que estas pessoas têm muito mais experiência sexual. Para além de que, de um modo geral, os trabalhadores do sexo têm uma mente muito mais aberta que o normal.

8. Pessoas como tu são destruidoras de casas e deviam ter vergonha.

As trabalhadoras do sexo não tentam roubar o marido a ninguém, nem tentam começar uma relação com ele. Embora gostem da companhia deles, não passa de uma transação comercial. Esta é uma escolha dos clientes e as acompanhantes não têm responsabilidade nenhuma nisso. Não é a acompanahnte que destroi relacionamentos. Muitas vezes estes já estão destruidos. Algumas das razões pelas quais os clientes procuram acompanhantes é porque estão sexualmente insatisfeitos no seu relacionamento. Alguns deles estão no caminho de terminar uma relação que atualmente têm.


Classificados X